Pesquisar este blog

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Decepcionado com a Igreja?

Em 06/01/2009, por Jota Mossad

O foco deixou de ser a vida das pessoas, e passou a ser quantas pessoas eu consigo trazer para minha igreja. E para isso os mais diversos atrativos são utilizados: promessa de milagres, cura, um templo luxuoso e confortável, interatividade e entretenimento na igreja, entre muitos outros. O problema é que as pessoas deixaram de ser cuidadas. Muitas vezes aquele suposto amor do primeiro dia é trocado pela indiferença, onde o pastor deixa de ser o mentor espiritual de vidas (ou porque não tem tempo porque está inserido em muitas outras atividades que desfiguram seu chamado pastoral) e torna-se um burocrata pragmático que prega sermões aos domingos. Quantas brigas cercam pastores e ministérios "rivais" que não se falam, porque um supostamente cresce mais que o outro. Flavio / Stay Freak

É engraçado porque, mesmo com a Igreja brasileira atravessando uma tremenda crise de conteúdos, a gente vive um momento de ufanismo evangélico. A Igreja Evangélica brasileira tem uma grande dificuldade de examinar a si mesma, porque está muito entusiasmada com seu próprio crescimento. Mas é fácil constatar que o Evangelho tem sido pregado e vivido de uma maneira extremamente pragmática, utilitária. Que Evangelho estamos pregando? É um Evangelho de resultados, onde o que interessa menos é o próprio significado da conversão. Isso é muito grave. O significado da expressão "nascer de novo" está muito difuso dentro das nossas igrejas. O que é nascer de novo? Esta experiência basilar foi diminuída a um simples rito comportamental de levantar a mão, vir à frente, seguir cinco ou seis "leis espirituais" -- confesse isso, declare aquilo, aja deste modo. Ou seja, virou um credo. E um credo ralo. O conceito de nascer de novo está muito fragilizado, além de se falar pouco nele. E quando se fala, não sabemos nem a que estamos nos referindo. O movimento evangélico, tal como hoje o conhecemos, está próximo do seu fim. Ricardo Gondim / Eclésia

O que eu posso dizer disso é que a igreja não ira morrer. A igreja noiva de Deus, pessoas em busca de Jesus Cristo? Não elas não vão morrer. Elas não sempre serão igrejas. Só que a igreja institucionalizada ira passar por muita coisa, principalmente quando os blogueiros "emergentes" pararem de bater nelas (igrejas institucionalizada) e começarem a FUNDAR novas igrejas (institucionalizada). Mas será que esses blogueiros tem caráter cristão e maturidade pra segurar a bronca?

Fonte: Igreja Emergente.

Nenhum comentário: