Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 31 de março de 2009

Pastor metaleiro troca o Iron Maiden pela palavra de Cristo


Fanático pela banda até 2005, Marcos Motolo tem o corpo inteiro tatuado.Convertido após uma 'visão', ele diz agora que é capaz de fazer milagres.
Diego Assis
Do G1, em São Paulo

O autoproclamado fã número 1 do Iron Maiden mora em um sobrado humilde no bairro de Itaquera, zona leste de São Paulo. Fanático pelos metaleiros desde a década de 1980, Marcos Motolo, 36, diz ter feito 172 tatuagens da banda por todo o corpo e, como se o feito não bastasse para provar sua devoção, ainda registrou o filho de dez anos como Steve Harris em homenagem ao lendário baixista do grupo. Mas, da turnê recente do Maiden pelo país - que se encerra nesta terça com um show em Recife -, Motolo conta que não conseguiu ver nenhum show. Estava ocupado demais pregando a palavra de Cristo como pastor evangélico. Personagem do documentário "Flight 666", filme oficial da banda britânica de heavy metal que tem estreia nos cinemas prevista para o mês que vem, o pastor metaleiro não renega o seu passado. Em vez disso, tem usado sua história pessoal para "semear no deserto", ou ainda, "levar a palavra de Deus às pessoas que não estão preocupadas com isso".
Em um culto evangélico realizado há dez dias, em Suzano, município da Grande São Paulo, vestindo um terno preto que cobria algumas mas não todas as tatuagens, Motolo intercalava com desenvoltura versículos da Bíblia com a promoção de sua participação no documentário internacional. "Será a primeira vez que a palavra de Cristo vai chegar a países como a China ou a Rússia", prometia entre "glórias" e "aleluias" aos fiéis, muitos dos quais provavelmente jamais haviam ouvido falar de Iron Maiden - muito menos da temática demoníaca de muitas das letras da banda. Convertido há apenas quatro anos, Motolo não vê problemas na mistura do sagrado e do profano. "O interessante é você saber diferenciar cultura de religião. Se a pessoa é evangélica e toca numa banda de rock, ela não precisa parar de tocar. Mesmo que [a banda] fale de Satã. Aquilo é a profissão dela, lá ela é empregada", defendeu o pastor e missionário - termo usado àqueles que não pregam apenas em uma única igreja - em entrevista ao G1 pouco antes do início da pregação.

"Se a pessoa souber curtir o heavy metal ou qualquer coisa, pode ser até funk ou futebol, sem se envolver em coisas que destruam sua saúde, é bom. Os caras do Iron Maiden, por exemplo, são inteligentes. Eles tocam heavy metal, mas quando o show acaba, eles vão tomar um Gatorade ou um suco. É por isso que estão vivos até hoje. Já o Nirvana fez dois anos de sucesso e o vocalista se matou. Por quê? Porque ele não soube diferenciar a vida particular dele da vida em cima do palco", teoriza.

White metal
À primeira vista pode parecer estranho, mas a aproximação entre o rock pesado e os movimentos cristãos não é novidade. Não fosse pelas letras de louvor a Jesus, a banda australiana de white metal Mortification poderia ser facilmente confundida com o Sepultura. No Brasil, há bandas de rock evangélicas como a Oficina G3 e uma igreja dedicada especialmente a acolher tatuados, roqueiros e surfistas convertidos, a Bola de Neve Church. Até o performático Alice Cooper, um dos pioneiros em levar o horror aos palcos, investiu recentemente parte de seu dinheiro na construção de um centro cristão de reabilitação de jovens na cidade de Phoenix, no Arizona. "A maldição só existe quando você acredita nela", defende Motolo, que entre as marcas no corpo tem inscrições de 666 - "o número da Besta" -, diversas versões do monstro Eddie, o mascote do Iron Maiden, e algumas imagens de guerra e mutilação que fariam arrepiar os cabelos de fiéis mais ortodoxos. "Eu não acredito que nada que eu tenha venha me prejudicar de alguma forma. A Bíblia fala que nenhuma condenação existe quando a pessoa encontra Cristo. Por isso que você vê muito ex-matador, ex-traficante ou ex-roqueiro que vira pastor. Semana retrasada um grande líder dos Carecas do Subúrbio [tradicional gangue paulista de neonazistas] voltou para a igreja", afirma.

No princípio era o rock

Filho de pais religiosos, o pastor diz que nunca havia lido os evangelhos até a sua conversão, em 2005. Como boa parte dos adolescentes brasileiros apaixonados por música nos anos 80, sua bíblia sagrada de então era a revista "Bizz". Foi lá que leu pela primeira vez nomes como Beatles, Raul Seixas, Blitz, RPM e, claro, Iron Maiden. "Eu era criança, mas acabava enrolando meus pais. A 'Bizz' sempre tinha umas coisas mais leves na capa, mas atrás tinha uma página de venda de camisetas com vários desenhos do Iron Maiden, que me chamavam muita atenção. Para mim, o mais bonito era de um single chamado 'Aces high'. Na frente, tinha o Eddie pilotando um avião todo baleado, dilacerado, e atrás estavam outros Eddies, riscados, que já tinham morrido naquele combate", lembra. Depois de ler uma entrevista publicada em 1982, Motolo ficou fissurado pela banda. Passou a gastar toda a mesada comprando os discos em vinil do grupo, que ouvia em uma vitrola portátil. "Eu 'tocava' as músicas do Iron Maiden. Pegava o cabo da vassoura e começava a agitar. Hoje o pessoal faz air guitar, eu tocava guitarra com vassoura!", diverte-se. Pouco depois, fundou um fã-clube chamado Piece of Maiden, que reunia outros fanáticos pela “donzela de ferro” – um dos apelidos pelo qual o Iron Maiden é conhecido. “Ele era completamente alucinado pela banda, uma coisa meio patológica até”, recorda Fernando de Sousa Pinto, ex-editor da revista “Rock Brigade”, uma das primeiras a publicar uma reportagem sobre Motolo. “Também fui fã desde a adolescência, mas nunca imaginei fazer nem 10% do que ele fazia pela banda.” A idolatria incluía até leituras "satânicas", sempre à procura das referências citadas nas músicas do Maiden, do bruxo Aleister Crowley às obras do escritor de horror HP Lovecraft. "Eu entrava em cemitério de noite, via filme de terror, subia na caixa d'água da escola para ver o Sol nascer. Tudo o que era proibido agradava. Mas eram peraltices que não eram agressivas. Eu preferia entrar no cemitério ou subir em caixa d'água do que colocar uma arma na cintura e sair por aí matando. A gente não agredia ninguém. Se viesse a ter algum mal, seria contra nós mesmos", justifica.

Pele à venda
A primeira tatuagem - o Eddie do disco "Piece of mind", gravado no peito - foi feita em 1999 e, dali em diante, relata Motolo, foram seis anos de sessões diárias até chegar às 172 que diz ter feito no total. A contagem, no entanto, obedece a um método peculiar: cada letra ou objeto diferente riscado no corpo ele considera uma tatuagem. Motolo conta ainda que chegou a ser contatado por um membro da Yakuza, interessado em comprar a sua pele tatuada por algumas dezenas de milhões dólares. Relatos sobre o mercado de compra e venda de pele ligados à máfia japonesa não são inéditos, mas geralmente são difíceis de se comprovar. “A gente ouve falar disso, mas estamos falando de máfia. Não acho que ela vá dar o dinheiro e esperar que a pessoa seja metralhada ou encontrada morta e leve o dinheiro deles embora”, opina Roger Vieira, tatuador de São Miguel Paulista que fez a primeira tatuagem em Motolo. “Às vezes aparecem aproveitadores, mas, nos 25 anos em que eu venho trabalhando com tatuagem, nunca conheci ninguém que tenha vendido a pele.” O pastor, no entanto, sustenta sua versão e diz que estava prestes a fechar o negócio, quando teve a visão que mudaria sua vida para sempre. "No dia 10 de abril de 2005, eu estava deitado na minha casa, muito preocupado porque eu ia fazer a última tatuagem. Ia tomar uma anestesia e ficar 48 horas desacordado para tatuar embaixo das unhas. De madrugada me faltou sono, e eu tive uma visão em que um homem de fogo apareceu e falou para mim que eu não teria nem fama nem dinheiro, mas que, a partir daquele dia, ele ia me levar para os quatro cantos da Terra e, onde eu colocasse meus pés, as pessoas seriam transformadas pelo poder de Deus", conta."E aconteceu. Desde então, dois mortos com óbito já ressuscitaram, um câncer de 9 cm sumiu de dentro do ventre de uma moça, paralítico anda, cego vê, mudo fala e escuta através do poder da palavra de Deus."

172 – 8 = 164
Convidado pela irmã, também evangélica, para dar seu testemunho na igreja, Motolo se converteu. "Eu nunca tinha lido a Bíblia na minha vida. A partir daquele momento a Bíblia inteira apareceu na minha mente. Eu não leio a Bíblia, nunca li. Eu abro a Bíblia e Deus me revela o que aconteceu na vida de qualquer pessoa ali dentro."

A pele do pastor inclui diversas versões do monstro Eddie, o mascote do Iron Maiden, e até inscrições do número 666. Segundo Motolo, oito delas desapareceram 'por milagre' (Foto: Reprodução/G1)
Mas a lista de milagres que Motolo diz ter experimentado não para por aí. Na mesma profética visão de abril de 2005, o pastor diz ter ouvido de Deus que “seria imortal na Terra até que todas as tatuagens desaparecessem”. “E, por milagre, oito tatuagens já se apagaram do meu corpo. Agora tenho 164”, afirma. Nesse ritmo, vai viver até quando, pergunta a reportagem? "Com Deus é um mistério. Pode desaparecer tudo num só dia ou pode demorar um pouco mais. Mas elas estão sumindo gradualmente, devagarinho...", insiste. Desconfiado, o tatuador de Motolo volta a ponderar. “Ele voltou aqui depois que virou pastor. Eu não vi nada apagando, mas se for mal feita, em cinco anos, começa a desparecer uma boa parte mesmo.”

Prova de fé
Ceticismo não é uma novidade na vida do pastor metaleiro. Mesmo entre a comunidade evangélica, ele diz que muitas vezes enfrenta resistência. "Até hoje, de alguma forma, as pessoas me olham com um olho aberto e outro fechado. O pastor Marcos Motolo aceitou Jesus de verdade? Por que ele participa do filme do Iron Maiden? Por que ele dá entrevista sem camisa e mostra as tatuagens? Algumas pessoas talvez não teriam coragem de deixar um novo convertido pregar em grandes conferências. Ficam com medo de acontecer alguma coisa, de eu voltar atrás e de o ministério deles ser envergonhado", reconhece.

A também envangélica Ana Paula Mota, 37, que descreve Motolo como uma pessoa “sincera” e “tranquila”, crê intensamente na conversão do noivo. Segundo ela, nem os discos de heavy metal fazem mais parte da rotina do ex-maidenmaníaco. “A imagem do Iron Maiden ficou na vida dele por conta de tudo o que ele vivenciou e das tatuagens. São marcas que ficaram e que mostram a modificação do que ele era e do que é agora”, atesta a noiva. “Foi um verdadeiro milagre da parte do Senhor.”

Gravuras Brasileiras


segunda-feira, 30 de março de 2009

Os maiores ídolos do São Paulo retratados pelo cartunista Dino Alves.

São eles:

Em pé: Mauro, Friedenreich, Zetti, Canhoteiro, Roberto Dias, Maurinho, Pedro Rocha, Raí, Rogério Ceni, Alfredo Ramos, Dino Sani, Darío Pereyra, Chicão, Noronha, De Sordi, Bauer e Poy.

Abaixados: Denilson (sic!!!), Careca, Rui, Gino, Teixeirinha, Cafu, Müller, Pita, Leônidas, Leonardo, Oscar, Toninho Guerreiro, Forlan, Zizinho, Sastre, Gerson e Serginho.

Lastima-se a ausência de Waldir Peres.

Fonte: SPFCPedia (via Blog do Zanquetta).

OS 10 LIVROS MAIS VENDIDOS (FICÇÃO)! APENAS UM BRASILEIRO!

Na pesquisa da Veja: os livros mais vendidos!

1) A Cabana - William Young - SEXTANTE - CANADENSE
2) Crepúsculo- Stephenie Meyer -INTRÍNSECA- AMERICANA
3) Lua Nova- Stephenie Meyer -INTRÍNSECA - AMERICANA
4) Eclipse- Stephenie Meyer - INTRÍNSECA- AMERICANA
5) O Vendedor de Sonhos- Augusto Cury- ACADEMIA DE INTELIGÊNCIA- BRASILEIRO
6) O Leitor- Bernhard Schlink- RECORD- ALEMÃO
7) O Menino do Pijama Listrado- John Boyne- COMPANHIA DAS LETRAS- ALEMÃO
8) A Menina que Roubava Livros- Markus Zusak- INTRÍNSECA- AUSTRALIANO
9) O Sári Vermelho- Javier Moro- PLANETA- ESPANHOL
10) Anjos e Demônios- Dan Brown- SEXTANTE- AMERICANO.

Fonte: Ex-Blog do César Maia, por email em 30/03/2009.

domingo, 29 de março de 2009

Contos da bola:

Antes um Coalhada que um Ortigoza

EDUARDO VIEIRA DA COSTA
Editor de Esporte da Folha Online, em 27/03/2009.

(...)

Nesta semana, o atacante palmeirense Ortigoza esbravejou contra o apelido que os colegas arranjaram para ele. Devido à semelhança com o personagem boleiro de Chico Anysio, virou o Coalhada. Mas ele não quer ser chamado assim.

Pior para ele e para o Palmeiras. O time seria muito mais interessante com Coalhada e K9 no ataque, e ele ainda podia aproveitar para pegar mais um jeitinho brasileiro.

E, no final das contas, ele é mesmo a cara do Coalhada.

(...)

Fonte: Regra 10.

sexta-feira, 27 de março de 2009

Ministério da justiça adverte: Big Brother é prejudicial à saúde mental, moral e aos bons costumes...

Ministério adverte Globo por "Big Brother", diz Outro Canal

colaboração para a Folha Online

O Ministério da Justiça questionou a Globo sobre a exibição do "Big Brother Brasil 9" fora do horário previsto na classificação indicativa, informou a coluna Outro Canal publicada na Folha nesta quarta-feira.

A
íntegra da coluna está disponível para os assinantes do jornal e do UOL.

Segundo Daniel Castro, o ministério também abriu um procedimento administrativo que pode levar à reclassificação do programa --tido atualmente como impróprio para menores de 14 anos (21h).

No ofício enviado pelo ministério está escrito que a emissora apresentou irregularidades na transmissão do reality show.

Uma delas aconteceu em 22 de fevereiro às 19h13, quando a emissora informou incorretamente que a classificação seria de 10 anos. Na edição deste dia, foram ao ar cenas mostrando o consumo de bebidas alcoólicas --cena inadequada para menores de 12.

Folha de mentiras

Da Redação
redacao@folhauniversal.com.br

"Rede Record" prova que ataques sistemáticos da "Folha de S. Paulo" e reportagem da "Carta Capital" são falsos e caluniosos"

A”Rede Record” tem sido alvo de ataques sistemáticos do jornal “Folha de S. Paulo”, realizados através de notícias falsas numa campanha difamatória e agressiva. As informações mentirosas da “Folha de S. Paulo” destiladas contra a “Record” aparecem em meio a notícias sobre televisão. A revista “Carta Capital” publicou uma reportagem, cujas informações foram reproduzidas pela “Folha” afirmando que a Igreja Universal do Reino de Deus passa por uma divisão e seu líder, o bispo Edir Macedo, dono da “Rede Record”, estaria doente. Tudo mentira. (Leia resposta ao lado). Em sua edição de terça-feira (17), o “Jornal da Record” conversou com o bispo Macedo, que da África do Sul, não só desmentiu a informação como provou, através de uma exaustiva agenda missionária por vários países, que o fôlego dele está intacto e redobrado: “Estou muito bem de saúde”, disse o bispo.

A “Folha de S. Paulo” noticiou, por exemplo, que a audiência da “Record News” – canal 24 horas de notícias – teve na tevê à cabo, 6.284 telespectadores por minuto no mês passado, enquanto que a “Globo News”, quatro vezes mais. Os números mostram como a análise é tendenciosa. A “Record News” está presente em apenas 20% do universo das tevês à cabo porque nem todas operadoras retransmitem o sinal da emissora. Em compensação é o canal exclusivo de notícias com maior presença na tevê aberta. Muito mais, aliás, que a “Globo News”. Se o jornal tivesse o cuidado de somar a audiência da tevê à cabo e da tevê aberta os números seriam muito diferentes. A “Record News” teve em fevereiro 27.340 telespectadores por minuto, a “Globo News”, 16.010. Ou seja, a “Record News” teve quase 71% a mais de audiência. O próprio Ibope acusou o erro da “Folha de S. Paulo” e vai pedir retratação do jornal.

As outras denúncias beiram o absurdo. Em sua campanha difamatória, a “Folha” diz que o Recnov, a fábrica de novelas da “Record”, economiza em bebedouros e cosméticos. Uma bobagem já que a emissora decidiu investir R$ 200 milhões em produção de novelas. O preconceito religioso também é visível, até em assuntos sérios, como os investimentos da “Record” em tempos de crise mundial, tratados com ironia e desrespeito. Num dos textos, o jornal escreve: “O telespectaddor poderá pensar que a Record irá rodar a sacolinha para pagar seus programas.”

A “Folha” é publicada pela empresa “Folha da Manhã” que publica vários jornais, um deles em sociedade com as “Organizações Globo”, principal concorrente da “Record” no ramo de televisão. Nos últimos anos, segundo o Instituto Verificador de Circulação(IVC) a tiragem da “Folha” desabou. Em 1998, era de 513 mil exemplares dia, em 2008, caiu para 299 mil, numa queda de 41%. Os números podem indicar que a “Folha” também passa por uma crise de credibilidade.

Fonte: Folha Universal.

IURD critica revista

A matéria publicada na revista “Carta Capital” desta semana (18 de março, n. 537) sob o titulo “A Crise Universal” não corresponde à realidade dos fatos. Até porque o bispo Romualdo Panceiro mora no Brasil e jamais morou na Califórnia; o bispo Macedo está muito bem de saúde e tão pouco repassou qualquer procuração ao bispo Romualdo.

Sendo assim, tal matéria torna-se falsa, tendenciosa e pobre de informações. A credibilidade é o combustível de qualquer órgão de comunicação. Para que seja construída, é importante que haja equidistância entre o órgão de comunicação e os entes envolvidos na notícia. Do contrário corre-se o risco de o veículo cumprir papel, exclusivamente, panfletário.

Matéria com este conteúdo deveria ter o crivo compatível com a importância trazida pelo tema. De tão absurda, fica em evidência não a própria matéria e seus efeitos, mas sim a credibilidade do órgão que a publicou.

As razões efetivamente motivadoras que a publicação com base em apenas um depoimento de alguém que não se consegue garantir a confiabilidade para opinar sobre a questão é um ponto a ser analisado pelos responsáveis pela publicação e pela sociedade como um todo. É evidente que há uma competição entre os órgãos de comunicação e alguns grupos temem por perder espaço. A intenção de que há cisão tem como objetivo enfraquecer um grupo.

A suposta fonte deve ser alguém insatisfeito por questões pessoais. Se o fato existisse, as evidências seriam maiores e visíveis. A Igreja Universal do Reino de Deus se mantém íntegra e unida. Não há que se falar nada sobre o tema. O que há é uma perplexidade pelos níveis de sombra que se permitiu na referida matéria.

Fonte: Folha Universal.

Alguma coisa não anda bem, as notícias da Carta Capital pode ter sido sensacionalista mas aponta para um fundo de verdade. A Folha Universal ao invés de tentar provar o contrário dos fatos apresentado pela CC perde muito tempo em agressões aos seus oponentes. O ataque nem sempre é a melhor defesa...

Chaveiro pastor cai em tentação e rouba R$ 6 mil de supermercado em São José dos Campos

Publicada em 26/03/2009 por Fabiana Parajara, O Globo, VNews

Comentários

SÃO PAULO - O chaveiro Daniel Marques Pereira, de 36 anos, foi flagrado em um momento de fraqueza. Chamado para consertar o cofre de um supermercado de São José dos Campos, a 97 quilômetros da capital paulista, ele acabou furtando R$ 6 mil na última terça-feira.

De acordo com a polícia, Pereira não conseguia abrir o cofre e os responsáveis pelo supermercado pediram que ele o arrombasse. Ele tentou, mas só conseguiu abrir uma pequena fresta. Pereira então pediu que o segurança que o acompanhava conseguisse uma ferramenta maior. Vendo que estava sozinho, ele colocou a mão pela fresta e tirou um pacote de R$ 6 mil em notas, que colocou dentro de suas meias e em sua maleta de trabalho. Ele ainda tentou retirar mais pacotes, mas não conseguiu. Quando o segurança chegou, ele fingiu que estava trabalhando normalmente. Pereira só não contava que estava sendo filmado pelo circuito interno de segurança. (veja as imagens)

Quando os funcionários foram fazer a contagem do dinheiro, na noite de terça, deram falta do dinheiro e foram verificar as imagens do circuito interno. Ao perceber o furto, os donos do supermercado acionaram a polícia. Na quarta-feira, de manhã, os policiais foram até a oficina de Pereira, que funciona há 17 anos na cidade.

- Assim que os policiais chegaram, ele já confessou o crime e disse que o dinheiro estava no carro, embaixo do banco - contou um investigador que participou da ação.

Aos policiais, Pereira afirmou que estava arrependido e o furto ocorreu em "um momento de fraqueza". Em seu depoimento, Pereira, que também é pastor da Igreja Internacional da Graça de Deus, na cidade vizinha de Jacareí, afirmou que estava pensando em devolver o dinheiro.

Pereira foi indiciado por furto qualificado por abuso de confiança e vai responder o processo em liberdade, já que não houve flagrante. Se for condenado, ele fica sujeito a uma pena que varia de dois a oito anos de prisão.

O psicólogo Gilberto Rodrigues explica, que a "fragilidade da formação de valores" pode levar uma pessoa como o Daniel Marques Pereira, que não tinha passagens pela polícia, a cometer o delito. Em entrevista à VNews, afiliada da TV Globo, Rodrigues explica que "esses princípios são formados na família, nos exemplos e nos valores passados de pais para filhos, na escola e no governo".

(...)

Texto completo no O Globo.

Pava Ecumênico IV

Vai uma medalhinha aí???

Veja também: Pava Ecumênico III.

quinta-feira, 26 de março de 2009

A Dualidade de Poderes e os 50 anos da Revolução Cubana

A dualidade de poderes é uma condição peculiar a crises sociais, característica não exclusivamente da Revolução Russa de 1917.” (TROTSKY, L)


O século XX foi marcado por vários acontecimentos de rupturas da ordem vigente conhecidas como revoluções. Um desses movimentos completou 50 anos em 2009. Trata-se da Revolução Cubana, de 1959, que ecoa até hoje tendo em vista que seus ícones principais continuam vivos, como os irmãos Castro, Fidel e Raul, e o grande inimigo dos cubanos continuar sendo os Estados Unidos da América.

O Estado é a forma na qual os indivíduos de uma classe dominante fazem valer seus interesses comuns” (MARX, K. & ENGELS, F). Se partirmos desta premissa, poderemos notar a questão da dualidade de poderes existente em Cuba em seu contexto revolucionário. Entendemos que não há nenhum conflito social sem que a questão da dualidade de poderes não esteja contida, pois, na oposição entre classes sociais, cujos interesses são antagônicos, reside o fundamento social da dualidade de poderes. “O caráter de um regime político é diretamente determinado pela relação das classes oprimidas com as classes dominantes” (TROTSKY, L). A definição do poder de Estado como uma “relação” entre as classes, dominados e dominantes, ou correlação de forças, é alterada por Trotsky de uma teoria “restrita” do Estado, defendida por Marx, Engels e Lênin, para uma teoria de Estado “ampliado”. Ele introduz uma teoria processual para conceber o movimento como um período pré-revolucionário, ou seja, para que aconteça a revolução a classe revolucionária pode ocupar parte do poder do Estado antes da transferência total.

O Estado cubano era governado por Fulgencio Batista, destituído do cargo, mas que voltara ao poder em 1952 mediante golpe de Estado, sob o aval e participação dos Estados Unidos da América na figura de seus embaixadores, Artur Gardner e Earl E.T. Smith, que não possuíam nenhuma experiência política ou diplomática. Os Estados Unidos forneciam a Batista vários armamentos, mas, ao mesmo tempo, financiava membros do M-26-7, movimento revolucionário cubano 26 de julho, com recursos entregues por meio de altos funcionários da CIA, com o objetivo de estabelecer contatos tanto com o governo quanto com a oposição, a fim de garantir os interesses norte-americanos na ilha. Prova desta correlação de forças – poder do Estado e poder revolucionário – foi a aquisição de armas, equipamentos de rádio, e do Granma, o iate que levou Fidel e seus guerrilheiros do México até Cuba, com recursos provenientes da CIA, via Prío Sacarras, ex-presidente de Cuba. São fatos importantes que vão estruturar o movimento revolucionário através da guerrilha na região de Sierra Maestra, da criação da Rádio Rebelde durante este período pré-revolucionário, segundo as definições de Trotsky. Porém, ao cooperar com o governo Batista fundando o BRAC (Buró de Represión a las Actividades Comunistas), responsável pela tortura de presos políticos ou suspeitos de atividades revolucionárias, fomentou o sentimento de antiamericanismo nos revolucionários por criarem uma identificação com o governo em vigor.

Para acabar com esta correlação de forças, cogitou-se pelo governo de Washington a criação de uma “terceira força”, formada por grupos de oposição ao governo Batista e que servisse de contraponto a Fidel Castro. Por meio de eleições fraudulenta, o candidato da situação saiu vitorioso. Entretanto, Smith concluindo que Batista não cumprira com o compromisso de assegurar eleições livres e abertas, declarou Castro vencedor.

Com a intensificação dos ataques das colunas guerrilheiras e com a decomposição do exército de Batista, Fidel Castro, principal líder de oposição, partiu para o “choque frontal” tomando de assalto Santiago, capital da Província de Oriente, em 1958, e ordenou a Che Guevara e Camilo Cienfuegos que com suas colunas seguissem para Havana e ocupassem o Campo Colúmbia e a fortaleza de La Cabaña, provocando a renúncia de
Batista, já sem o respaldo dos Estados Unidos, no reveillon de 1959. A “explosão revolucionária” foi rápida, pois “a insurreição, violenta por si mesma, realiza-se habitualmente num curto espaço de tempo” (TROTSKY, L). Com o lema “Revolución Sí, Golpe Militar No!”, Fidel Castro proclamou Manuel Urrutia, juiz da Província de Oriente, presidente provisório de Cuba, investido em nome do poder revolucionário, antes de assumir o comando da nação.

* Citações feitas por C.N. Coutinho no livro A Dualidade de Poderes – introdução à teoria marxista de estado e revolução. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1985.

Diácono de igreja é procurado por abuso sexual em Araçatuba

Pai flagrou o aposentado abusando da sua filha em sua própria casa; ele é suspeito de molestar mais três garotas

Chico Siqueira - especial para O Estado de S.Paulo, em segunda-feira, 23 de março de 2009.

ARAÇATUBA - A Polícia Civil de Araçatuba procura o aposentado A. A. D., de 62 anos, diácono da Igreja Assembleia de Deus Independente, acusado de ter molestado uma adolescente de 13 anos e abusado de duas meninas, de 11 e 12 anos, e de outra adolescente, de 13, todas moradoras no Jardim do Trevo, zona oeste da cidade.

Veja também:
Todas as notícias sobre pedofilia

O diácono fugiu quando o motorista Rogério Pereira Alves o flagrou molestando a filha em sua própria casa. O religioso, que era vizinho de muro de Alves, aproveitava a saída dos pais para o trabalho para entrar na casa e molestar a menina, o que ele vinha fazendo desde dezembro.

Nesta segunda-feira, 23, Alves foi dispensado do trabalho e quando chegou em casa flagrou Domingues sobre sua filha. "Meu desejo foi de matá-lo. Tentei segurá-lo, mas tive de socorrer minha filha e ele aproveitou para fugir", contou.

Exames confirmaram a conjunção carnal. A garota apontou à polícia outras crianças do bairro também foram abusadas pelo diácono. Até o fim desta tarde ele ainda não havia sido encontrado. O pastor João Neves Nascimento, responsável pela igreja em Araçatuba, disse que, se o diácono voltar, será excluído da igreja.


Fonte: Estadao.com.

segunda-feira, 23 de março de 2009

Sem Perder a Alma - Crônicas de Ricardo Gondim


Em Sem perder a alma, o escritor declama seu amor pelas página impressas, inspirando os leitores a buscar essa paixão celestialmente arrebatadora. “O livro faz parte da conspiração divina. Quando Deus quis falar aos homens, apenas inspirou homens que escrevessem.”

Para não asfixiar a alma, senti a necessidade de achar respiradouros onde pudesse renovar meu ser..."
(Trecho da crônica Sem perder a alma)

Fonte: MKshopping.

quinta-feira, 19 de março de 2009

Cantor de velório...


(...)

O vereador Agnaldo Timóteo (PR-SP) chegou por volta das 12h40. Ele foi aplaudido pelos presentes após cantar a música "Noite traiçoeira", do padre Marcelo Rossi, ao lado do caixão.

Outro cantor de velório foi Orlando Torres, pastor da igreja Assembléia de Deus, que se aproximou do caixão e cantou bem alto "Glória, Glória, Aleluia". Ele disse ter cantado a mesma música nos velórios de Sérgio Mota (ex-ministro de Comunicações de FHC) Ronald Golias (humorista) e Nair Bello (atriz), e até do lado de fora do show da Madonna - para "arrebanhar almas". "Clodovil está em outra dimensão e nós estamos indo para lá também". Ele foi expulso pela PM por insistir em cantar em voz alta.

(...)
Fonte: UOL.

MANIFESTO CONTRA OS ECONOMISTAS

“Vós, economistas,
que dais cabo da vida
que a reduzis à mesquinhez
da conta, do orçamento, do défice
vós, economistas,
que pregais a bolsa e o mercado
que vos masturbais com o dinheiro
sabei que vos amaldiçoo
e que venho combater a vossa ditadura
vós, economistas,
que estais feitos com a morte
que trazeis a vidinha do tédio,
do previsível, das estatísticas
sabei que não me levais na cantiga
vós, economistas,
que dominais o mundo
que tudo submeteis à vossa lei assexuada
sabei que estou vivo
que procuro o prazer e a loucura
que estou para lá das vossas teses
que o amor não se mede
que a liberdade não se quantifica
e que o vosso império vai cair!”

A. Pedro Ribeiro
Fonte: pimentanegra.blogspot.com, em 18.03.2009

quarta-feira, 18 de março de 2009

'Minha comunhão é com Deus'

Rivaldo Mendes de Albuquerque, professor de Medicina da Universidade Estadual de Pernambuco, em entrevista à Carta Capital sobre a excomunhão sofrida após a realização do aborto em uma menina de 9 anos abusada pelo padastro, em Alagoinha, no agreste pernambucano:

CartaCapital: Como o senhor se sentiu ao ser excomungado pela segunda vez?
Rivaldo Mendes de Albuquerque: Não modificou absolutamente em nada a minha vida. A excomunhão não fechou meus olhos para as violências que vejo praticadas, diariamente, contra as mulheres. Sou médico e constato que o aborto é uma questão de saúde pública. A excomunhão em nada ajuda a resolver este problema. Apenas reforça uma postura da Igreja, que não está associada aos que mais precisam. Do ponto de vista religioso, a penalidade é forte, mas não me atinge porque tenho a certeza de que estou ajudando mulheres a saírem de situações extremas. Viver uma situação de violência é como viver no inferno.

CC: O senhor frequenta a missa regularmente. Passou a ser alvo de olhares de desprezo ou reprovação após as excomunhões?
RMA: Na primeira vez, fiquei impactado, mas depois percebi que não era nada daquilo. Nunca deixei de comungar. Minha comunhão é com Deus. Em 1996 eu não recebi tanta solidariedade como agora, pois a divulgação não foi tão grande como desta vez. Agora, infelizmente, o arcebispo não demonstrou um olhar de piedade por uma criança. Manifestou apenas um olhar de raiva, de castigo.

CC: Como a equipe médica se comportou após a excomunhão conjunta?
RMA: Todos demonstram muita tranquilidade. Lamentavelmente, o caso dessa garota é apenas mais um entre tantos com os quais lidamos aqui. A violência contra a mulher existe, e os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres têm de ser respeitados. O aborto ser crime não protege as mulheres, não evita que ocorra, nem dá saúde à mulher. Ou seja: não resolve o problema. A descriminalização pode melhorar essa situação. Com ela, teremos de respeitar a vontade das pessoas. O Estado é laico e deveria agir como tal, não cedendo às pressões da Igreja.

Fonte: Carta Capital.

A crise universal


18/03/2009, por Gilberto Nascimento

A Igreja Universal do Reino de Deus está dividida. No momento, atravessa uma crise de comando. Há cerca de três meses, seu chefe máximo, Edir Macedo, nomeou o bispo Romualdo Panceiro, o então líder no Brasil, como o seu sucessor mundial.

Panceiro mudou-se para a Califórnia, onde vive Macedo, de onde passaria a comandar a igreja, mas mantendo-se próximo ao fundador da instituição. Surpreendentemente, o novo comandante retornou ao Brasil. Com uma procuração nas mãos passada por Macedo, Panceiro obteve o controle de vários dos mais importantes e valiosos bens da igreja, tornou-se o homem forte e deixou de ouvir o antigo guru, revelam fontes próximas à cúpula da Universal.

O bispo Macedo sentiu-se traído pelo ex-líder no Brasil. No entanto, não teria agora como reverter o poder outorgado a Panceiro. Uma importante funcionária da área administrativa da igreja confirmou que o novo dirigente está fortalecido e “com amplos poderes”. Procurada para falar sobre a crise, a direção da igreja disse que a informação “não procede” e “é infundada”. “A Universal do Reino de Deus tem em seu corpo a liderança do bispo Edir Macedo”, informou em nota.

Criada em 1977 no Rio de Janeiro, na sede de uma antiga funerária, a Igreja Universal cresceu e passou a controlar a Rede Record de Televisão, além de emissoras de rádio, gráficas, jornais, gravadora e instituições financeiras.

Macedo decidiu nomear Panceiro como sucessor depois de ser submetido a uma cirurgia no pâncreas, nos Estados Unidos, há cerca de nove meses. Seu estado de saúde não é bom, garantem religiosos próximos. Ele também sofre de diabetes. Fotografias recentes ao lado de familiares mostradas em seu site pessoal na internet exibem sua fragilidade física. O bispo está muito magro, em comparação com fotografias de um ou dois anos atrás. Depois do “entrevero” com Panceiro, Macedo passou a ter bem mais próximo de si o ex-líder da Igreja Universal no México, Paulo Roberto Guimarães.

O bispo Panceiro comandava a igreja no Brasil há doze anos. Já há algum tempo era o nome preferido de Macedo para a sucessão. Antes imaginava-se que o eleito seria o seu sobrinho, o bispo Marcelo Crivella (PRB-RJ), senador e candidato derrotado a prefeito no Rio de Janeiro. Na biografia autorizada, O Bispo – A história revelada de Edir Macedo, de Douglas Tavolaro e Christina Lemos (Editora Larousse), lançada em 2007, foi revelada essa preferência. “Se eu morrer hoje, o Romualdo assume tudo. E tenho certeza de que os demais bispos irão respeitá-lo como me respeitam hoje. A Igreja Universal não é um trabalho pessoal, mas uma obra espiritual”, disse Macedo, no livro.

Ao saber dessas palavras, Panceiro respondeu que não tinha condições de assumir o cargo. Na própria biografia de Macedo, afirma-se que ele é temido por outros pastores da igreja, apesar de demonstrar “gentileza e bom humor”, depois de horas de convívio.

Ex-cortador de cana, 49 anos, Panceiro é também um ex-viciado em drogas, como vários bispos e pastores da igreja. “Eu passava os finais de semana me drogando. Meu pai era louco. Eu não tinha o que comer. Não havia futuro para mim”, contou, no mesmo livro. “Ele é o maior milagre da Igreja Universal”, acrescentou Macedo na biografia, ao analisar sua reintegração e capacidade de comando.

Com a ajuda de outros bispos – como Guimarães –, Macedo pode retomar o poder. Mas há um problema político criado na sucessão, além do seu delicado estado de saúde.

Poderosa, a Universal está espalhada hoje pelos cinco continentes. A igreja diz ter se instalado em 172 países. Seu site oficial fornece o endereço de 72. Segundo números oficiais do IBGE, conta com 2 milhões de fiéis no Brasil. Na biografia de Macedo, fala-se em 4.748 templos e 9.660 pastores somente no País. A briga promete não ser fácil. Há muita coisa em disputa.

Ritos tribais X liturgia católica

Papa pede que missas africanas não distorçam a liturgia católica
Bento XVI falou a bispos na capital de Camarões.Ele faz sua primeira visita à África como pontífice.


Da EFE, em Iaundé

O papa pediu nesta quarta-feira (18) aos bispos e padres da África que preguem dando exemplo, para que não haja diferença entre o que ensinam e como vivem, que defendam as famílias e se oponham ao divórcio, e que as alegres celebrações religiosas africanas não distorçam a liturgia católica.


Bento XVI fez as declarações no discurso dirigido aos 30 bispos da Conferência Episcopal de Camarões, com os quais se reuniu em seu segundo dia na cidade de Yaoundé e diante dos quais ressaltou a importância da liturgia nas manifestações da comunidade católica africana.
"Estas celebrações são festivas e alegres, mas é essencial que as mesmas não sejam um obstáculo, mas um meio para entrar em diálogo e comunhão com Deus", afirmou o papa, que insistiu na necessidade de que sejam "dignas".

Desta forma, o papa expressou sua preocupação com a rica religiosidade africana, que muitas vezes inclui nas cerimônias ritos tradicionalmente tribais e os sobrepõe à liturgia católica.

Em um país onde os católicos são 26,7% da população (cerca de quatro milhões de fiéis), seguidos pelos muçulmanos, que são 22%, Bento XVI deu especial atenção à forte penetração das seitas pentecostais vindas da América, à proliferação dos movimentos esotéricos e à religiosidade supersticiosa.

Diante de tal situação, o papa convidou os membros do clero presentes a incentivar a formação dos jovens e dos adultos, especialmente dos universitários e intelectuais.

(...)

Lembrando que fica na África o seminário com maior número de aspirantes à vida religiosa - na Nigéria -, o papa pediu aos bispos uma "cuidadosa e severa" seleção de candidatos ao sacerdócio, para que não haja diferença alguma "entre o que ensinam e como vivem a cada dia" e assumam os compromissos contraídos.

Em um continente como a África, onde não ter mulher e filhos é visto como sinal de invalidez, muitos religiosos não levam uma vida coerente com as normas da Igreja, motivo pelo qual Bento XVI afirmou hoje que são necessários "homens maduros e equilibrados" para o sacerdócio.

O pontífice também destacou a ativa participação das associações femininas em vários setores da Igreja missionária, algo que, segundo ele, ressalta "dignidade" da mulher na sociedade e na vida eclesial.

(...)

"A Igreja quer despertar a esperança nos corações dos excluídos e tem que contribuir para a construção de um mundo mais justo no qual cada um viva com mais dignidade", disse o papa.

Em um país onde existem mais de 200 etnias e em um continente marcado pelos conflitos étnicos, o papa disse que a Igreja Católica "exclui" qualquer tipo de etnocentrismo e contribui para a reconciliação e a cooperação étnica.

Hoje (18/03/09), Bento XVI celebrará a vigília para o Dia de São José na basílica de Maria Rainha dos Apóstolos junto a bispos, sacerdotes, religiosos, e representantes de outras igrejas cristãs, durante a qual deve fazer um apelo pela unidade dos cristãos.

Fonte: G1.

terça-feira, 17 de março de 2009

100% Jesusssssssss.... (Água com gás) ; )

Empresa de Santa Catarina lança água "100% Jesus" para público evangélico

CÍNTIA ACAYABA
da Agência Folha

Com a campanha "hidrata o corpo e a alma", um empresário de Santa Catarina vai lançar no próximo mês a água mineral "100% Jesus". De olho no público evangélico, as garrafas terão mensagens bíblicas.

Por enquanto, há oito tipos de rótulos disponíveis: quatro para água sem gás e outros quatro para água com gás. Um deles leva o salmo 23: "O Senhor é o meu pastor, nada me faltará. Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranquilas. Refrigera a minha alma [...]". A água não tem nenhum poder de cura. É uma água comum.

"Se Deus quiser, vai ser um sucesso", diz Christian Cavalcanti, 38, evangélico e proprietário da marca. "Como o mercado de água é um mercado muito competitivo e existem milhares de marcas, pensei em algo diferente. Daí, veio a ideia, até por eu ser evangélico, de criar alguma coisa focada no público evangélico."

Cavalcanti conta que a embalagem foi escolhida em uma enquete feita com 1.500 fiéis de diversas igrejas evangélicas. "Evangélicos mais extremos foram contra a marca. Respondi comentários como: 'mais um para tirar o dinheiro da gente'. Outros falaram que não deveríamos usar o nome de Jesus em vão. Mas foi a minoria."

O lançamento deve ocorrer no 27º Encontro Internacional de Missões dos Gideões, encontro evangélico, em Balneário Camboriú, que começa no dia 25 de abril. A produção começa com 500 mil garrafas de 500 ml, a partir de R$ 0,50. A pretensão dele é vender o produto nacionalmente.

Em maio, Cavalcanti diz que quer lançar o refrigerante "100% Jesus" e, em junho, o macarrão instantâneo evangélico (com um jogo de perguntas sobre temas religiosos), leite longa vida, arroz e feijão.

"A minha intenção é colaborar com a evangelização e levar a palavra às pessoas", afirma ele, que pertence à Igreja Pentecostal do Caminho, de Santa Catarina.

Segundo Cavalcanti, 10% de tudo o que for vendido será doado a igrejas evangélicas, que estão sendo cadastradas (uma espécie de dízimo). Ele diz ter registrado a marca 100% Jesus no país e que pretende registrá-la mundialmente.

Para Ciro Eustáquio, da Igreja Batista da Lagoinha, em Belo Horizonte, a iniciativa do empresário é uma "forma de divulgar o evangelho" e "despertar as pessoas para uma verdade".

Colaborou CRISTINA MORENO DE CASTRO, da Agência Folha

Fonte: Folha on Line.

O que significa "imitar a Jesus" como uma das características da vida Cristã?

(...)

Também gostaria de ver mais claramente explicado o que significa imitar a Jesus como uma das características da vida cristã. Pois, até onde sei, Jesus não era cristão. A religião dele era totalmente diferente da nossa. Nós somos pecadores. Jesus não era. Logo, ele não se arrependia, não pedia perdão, não mortificava uma natureza pecaminosa, não lamentava e chorava por seus pecados. Ele não orava em nome de alguém e nem precisava de um mediador entre ele e Deus. Ele não tinha consciência de pecado e nem sentia culpa – a não ser quando levou sobre si nossos pecados na cruz. Ele não precisava ser justificado de seus pecados e nem experimentava o processo crescente e contínuo de santificação. A religião de Jesus era a religião do Éden, a religião de Adão e Eva antes de pecarem. Somente eles viveram essa religião. Nós somos cristãos. Eles nunca foram. Jesus nunca foi. Como, portanto, vou imitá-lo nesse sentido?

É esse tipo de definição e esclarecimento que sinto falta na literatura da espiritualidade, que constantemente se refere à imitação de Cristo sem maiores qualificações. Quando vemos Jesus somente como exemplo a ser seguido, podemos perdê-lo de vista como nosso Senhor e Salvador. Quando o Novo Testamento fala em imitarmos a Cristo, é sempre em sua disposição de renunciar a si mesmo para fazer a vontade de Deus, sofrendo mansamente as contradições (Filipenses 2:5; 1Pedro 2:21). Mas nunca em imitarmos a Jesus como cristão, em suas práticas devocionais e na sua espiritualidade.
(...)
Por Augustus Nicodemus Lopes

Fonte: O Tempora, O Mores.

sexta-feira, 13 de março de 2009

Jason Tri-Hexa

Sexta-feira 13. Fim-de-semana chegando e domingão o Jason Tricolor vai aprontar mais uma dentro de campo: o Marília que se cuide...

Uberlândia Esporte Clube


Pela nona rodada do Campeonato Mineiro 2009, a antepenúltima da primeira fase, Villa Nova e Uberlândia empataram por 2 a 2, em jogo realizado no Estádio Municipal Castor Cifuentes, o Alçapão do Bonfim, estádio do Leão, como é conhecido o time local.

Mais uma vez, Renna foi o destaque do Verdão. O atacante marcou os dois gols da equipe e chegou a cinco na competição. Pelo Villa Nova, marcaram Marcelino (contra) e o atacante Marcinho.

Com este resultado, o UEC alcançou até o momento a sétima posição, com 11 pontos ganhos, superando o Tupi no número de vitórias, já que ambos possem a mesma quantidade de pontos.

Os números da campanha do U.E.C. no Campeonato MG-09: 11 pontos em 9 jogos; 3 vitórias (todas em casa), 4 derrotas e 2 empates (todos fora de casa); 13 gols a favor (Renna fez 5), 15 gols contra, com saldo negativo de 2.

Vale-tudo em templo da Renascer


Igreja Renascer monta ringue de vale-tudo em templo para atrair mais jovens a culto em SP

APU GOMES
repórter-fotográfico da Folha de S.Paulo
DANIEL BERGAMASCO
da Folha de S.Paulo
Dois, três, quatro rounds e, com o perdedor estirado na lona, o pastor Mazola encerra a primeira série de lutas e anuncia o início do culto.

É 1h da madrugada de sábado e o templo da Igreja Renascer em Cristo em Alphaville, na Grande São Paulo, abriga seu primeiro campeonato de vale-tudo, esporte de combate que mescla modalidades como boxe e caratê. "Queremos atrair mais jovens", conta o bispo Leandro Miglioli, 33, de jeans e camiseta polo.

Sem álcool e cigarro, mas com a pancadaria tradicional do esporte, o festival reuniu frequentadores de academias da região para se enfrentarem no ringue colado ao altar. O público (bermuda, chinelo, tatuagem) vibrava.
O locutor do embate ficava no palco onde os pastores fazem as pregações. Na pausa para louvor no mesmo local, o pastor Mazola (cabeça raspada e camiseta regata de lutador) contou que já foi usuário de drogas e convocou os presentes a se converterem.

"Cerca de 60 jovens entregaram a vida para Jesus", diz Miglioli, que cadastrou nomes e telefones dos convertidos.

Culto encerrado, a luta continua -até depois das 3h30, cinco horas após começar. Satisfeita, a igreja fará outro campeonato neste ano.

"Um ringue ao lado do altar é inusitado, mas não extraordinário entre evangélicos", diz a antropóloga Clara Mafra, pesquisadora da religião. "Nos anos 1940, eles introduziram no Brasil guitarras em cultos. Nos anos 1950, a Assembleia de Deus fez concursos de miss entre as irmãs e não deu certo. A junção de sagrado e mundano causa estranheza, que pode ser ruim ou ter apelo como bom marketing religioso."

Jiu-jitsu

Duas vezes por semana, o mesmo templo da Renascer fica aberto para treinos de jiu-jitsu. "Quem vem aprende esporte e larga os vícios do mundão", diz Emerson Silva, 27, que se diz cético sobre as polêmicas envolvendo a igreja (prisão dos líderes por sonegação e críticas pela queda do teto de um templo que deixou nove mortos).
As lutas acontecem no fundo da igreja, após os cultos. "O primeiro foco é Deus, mas o esporte ajuda os jovens", diz Filipe Farias, 18, frequentador também da igreja Bola de Neve, que adota sintonia com esporte --no caso, uma prancha de surfe sobre o púlpito.

Pelado, nu com a mão no bolso... e na Bíblia!

Nudistas evangélicos: Seguram na mão de Deus e vão, pelados!

Como Adão e Eva no Paraíso: Integrantes de igrejas evangélicas descobrem que o naturismo também é uma forma de comunhão com Deus e vão à praia nus. O catarinense Estevão gosta de orar nu para se sentir mais próximo da natureza.

Ele já foi expulso de uma igrejaUm paraíso ecológico, nenhuma roupa e... a Bíblia Sagrada. Pode parecer contraditório, mas naturismo também é coisa de crente. Isso mesmo: no Rio, até mesmo pastores evangélicos se bronzeiam como vieram ao mundo nas praias freqüentadas por nudistas. Membro de tradicional igreja evangélica há sete anos e naturista há 15, o comerciante Carlos Moreira, 44 anos, é um dos que defendem que não há barreiras entre a religião e o nu. “O pecado não está no corpo despido, mas, sim, na malícia das pessoas. Meu coração é puro”, argumenta.

A comunhão entre Deus e nudismo custou caro ao arquiteto curitibano Estevão Prestes, 31 anos. Evangélico há 14 anos e freqüentador da Praia do Pinho (Santa Catarina) há três, ele foi expulso da Igreja do Evangelho Quadrangular, da qual foi professor da escola dominical.

“Quando meus hábitos foram descobertos, fui chamado pelos pastores a um conselho. Houve a leitura de acusação formal de comportamento imoral”, conta Estevão, que hoje é membro da Igreja Presbiteriana. “Não escondo que sou naturista, mas também não ando com crachá. Os que sabem, me aceitam”, garante.

Estevão gosta de orar sozinho na praia e de ler a Bíblia – nu, é claro: “A vivência naturista me aproxima da espiritualidade. Tenho momentos de comunhão com a natureza, com Deus e o com próximo”, justifica.

Pastora pentecostal também pratica nudismo

O nudismo evangélico é uma idéia é tão inovadora, que muitos preferem o anonimato, como a líder de instituição pentescostal há 15 anos, Márcia, 48 anos, que trocou o nome para não ser reconhecida por seus fiéis. A pastora se converteu ao naturismo há três anos, após visitar a Praia Olho de Boi, em Búzios. “Me encantei com o respeito e a pureza. Ser naturista é estar em contato pleno com o Senhor”, defende ela, que visita sítios de lazer e já frequentou a Praia do Abricó, no Recreio, interditada ao nudismo por força de liminar.

Márcia diz ter aprendido que o naturismo não tem conotação sensual. “Vemos a nudez com olhos do espírito, sem malícia”, ensina a pastora, que lamenta o preconceito que enfrenta. “A igreja evangélica está recheada de dogmas e tabus. Somos tolhidos de vermos o mundo como é. Não poderia abrir minhas opiniões aos fiéis. Causaria grande rebelião”, pondera a pastora naturista. Ela também compartilha a palavra de Deus com amigos em recantos de nudismo. “Certa vez, uma irmã estava com sérios problemas e prestei favores espirituais para ela ali mesmo, em um sítio de convívio naturista”, recorda.

Para a grande maioria dos pastores evangélicos, entretanto, a idéia é inaceitável. “Isso é um escândalo. É a falta do conhecimento da Palavra. Não tenho pessoas com esta conduta na minha igreja. Aqui, não há espaço”, avisa o pastor Manoel da Silva, da Igreja Batista em Renovação Espiritual Nova Jerusalém.

Argumentos saídos do Livro Sagrado

Conta a Bíblia Sagrada que, ao comerem o fruto proibido, Adão e Eva tiveram consciência do bem e do mal e cobriram os corpos nus com vergonha do Criador. Em tempos modernos, a passagem do livro Gênesis é usada por evangélicos para condenar ou defender a prática do naturismo. Com interpretações diferentes da escritura, muitos crentes se cobrem dos pés à cabeça ou tiram a roupa nas praias e áreas de nudismo.

“A nudez não era rejeitada até o Pecado. O naturismo leva as pessoas ao estágio original de inocência, a reviver a Criação”, justifica a pastora naturista Márcia. Coordenador da Igreja Sara Nossa Terra no Rio, o bispo Francisco Almeida tem outra visão. “O nu só foi possível enquanto não havia maldade no coração do homem. A partir do pecado, os patriarcas foram ensinados por Deus a se cobrir e a passar este princípio para a s gerações”, considera.

Vice-presidente da 2ª Igreja Batista de Rocha Miranda, o pastor Odalírio Luis da Costa concorda. “Provar o fruto proibido agregou a Adão e Eva a malícia. Falta consciência bíblica aos nudistas”, afirma. Para a pastora Suzana Viana, da Igreja Metodista do Brasil, o nu não é pecado, mas agride a consciência do próximo. “Temos que respeitar a comunidade, como Deus ensina”, avalia.

Depoimentos:

‘Pureza não está ligada às roupas’

Há muitos evangélicos naturistas no Brasil. A pureza da alma não está ligada às roupas. Considero o naturismo uma visão da Criação. As pessoas ainda têm preconceito contra o nu porque falta esclarecimento. Sempre fui atuante na Igreja e não esperava ser excluído de minhas atividades de uma maneira tão desagradável. Mas a religião não deixou de estar no meu dia-a-dia. Converso com Deus seja onde for. Não escondo que sou naturista. Não tenho do que me envergonhar.
Estevão Prestes, 31 anos, arquiteto

‘Não me considero um pecador’

Na minha vida, o naturismo antecedeu a religião. Fico nu há 15 anos, desde que fui à Praia de Trancoso, na Bahia. Já freqüentei Abricó e gosto da Praia Olho de Boi. Há sete anos, eu me tornei evangélico. Não me considero um pecador por ainda buscar praias de nudismo. Onde está na palavra de Deus que é proibido ficar nu? Temos o espírito livre e puro. O que dizer do Carnaval, então? E das revistas de mulheres ou homens pelados? Nós temos uma filosofia de vida: a do respeito ao próximo.
Carlos Moreira, 44 anos, comerciante

Nudistas evangélicos buscam paraísos ecológicos pelo país

* Não é só no Rio que os evangélicos estão deixando de lado as indumentárias mais do que comportadas. Considerada um paraíso naturista, a Praia de tambaba, em João Pessoa, Paraíba, reúne entre seus freqüentadores um grupo de pelo menos 15 cristãos, segundo o ex-presidente da Sociedade Naturista de Tambaba Nelci ROnes Pereira de Sousa, 47 anos.

Nascido em família evangélica, Nelci é naturista há mais de 20 anos. "Detesto roupas, o que não quer dizer que eu não tenha Deus no coração. Imoral é o que se faz de sujo com o corpo", defende ele, que está afastado da Igreja Batista há 10 anos. "Não sofri nenhuma crítica. É pura falta de tempo mesmo", diz o programador de computadores.

Já o aposentado Carlos Antonio Pereira de Moraes, 52 anos, deixou os cultos por se sentir "incomodado com o conservadorismo e o fanatismo": "Optei pelo naturismo e sou livre. Ser cristão é pregar o Evangelho onde for".

Fonte: Última Hora News.

quinta-feira, 12 de março de 2009

Ivan Moré, corintiano, jornalista esportivo da TV Globo, em entrevista ao Blog do Zanqueta.

(...)

BZ: Como você analisa a competitividade dos nossos campeonatos e dos clubes brasileiros? Hoje em dia muito se fala na palavra ESTRUTURA para justificar as atuais conquistas do São Paulo Futebol Clube. Você acha que essa é mesmo a palavra chave para o sucesso de um clube?

IM: Creio que sim. Acredito que hoje o SPFC é o único clube brasileiro diferenciado no que diz respeito à estrutura, a organização, contratação de jogadores e maneira de trabalhar. Acho que o São Paulo é superior pois é um único time que hoje se assemelha aos clubes europeus. Acho que Palmeiras, Santos e principalmente o Corinthians estão anos luz atrás do São Paulo no que diz respeito a organização.

BZ: Como vc vê o time do São Paulo em 2009?

IM: Acho que o São Paulo continua sendo favorito em todos os campeonatos que participa, tem grandes chances de conquistar o título paulista(assim como Corinthians e Palmeiras). Na Libertadores , o SPFC é o maior referencial que temos no país pois é um time que cresce durante a competição, que tem chegada e é um time que tem muito a dar para sua torcida. Contratou certo, manteve um técnico que tem o time nas mãos, tem jogadores de qualidade como Hernanes, Washington, Rogério Ceni, tem boas revelações tais como o próprio Jean, que veio da base e é um jogador diferenciado. O São Paulo consegue enxergar o ano e a temporada como um jogo de xadrez e esse é o diferencial do time, que faz um lance a cada momento e isto tem garantido as glórias do clube nos últimos anos.

Ivan Moré é jornalista, trabalha na Rede Globo de televisão em São Paulo. Cobriu eventos como jogos Panamericanos de 2007 e Paraolimpíadas da China em 2008.

10 mandamentos do pastor empreendedor

Fonte: Folha [(via Notícias Cristãs) via Pavablog].

quarta-feira, 11 de março de 2009

Gilberto Freyre rejeitou idéias racistas em ensaio de interpretação do Brasil

da Folha Online

Ao lançar "Casa-Grande & Senzala", seu clássico ensaio de interpretação do Brasil, em 1933, Gilberto Freyre (1900-87) abriu o confronto com as teorias racistas de intérpretes consagrados do país. As idéias de valorização do negro e da cultura afro-brasileira defendidas no livro chocavam-se com as concepções raciais e os determinismos climáticos adotados por Sílvio Romero, Euclides da Cunha, Oliveira Viana e outros intelectuais da época.

A informação é do livro "Folha Explica - Casa-Grande e Senzala", da Publifolha. O volume, assinado por Roberto Ventura, professor de teoria literária, abre caminhos para a leitura do ensaio Casa-Grande & Senzala, além de abordar a trajetória controversa de Freyre.

Leia abaixo trecho de "Folha Explica - Casa-Grande e Senzala".

*

A GUERRA DAS RAÇAS

(...)


Casa-Grande & Senzala teve o impacto de um manifesto cultural e político por sua contundente crítica ao racismo e pelo enfoque inovador da escravidão, da monocultura e do latifúndio, sob a ótica da cultura e da economia. Formulava, já no prefácio, sua ruptura com as teorias racistas e relatava sua conversão quase mística à abordagem culturalista, ensinada por Franz Boas no departamento de antropologia de Columbia. O jovem Freyre transformava o anti-racismo de Boas em profissão de fé, que iria substituir seu protestantismo dos tempos de aluno do Colégio Americano Gilreath no Recife ou de pregador batista nos bairros pobres da cidade, e ainda enquanto estudante com bolsa de estudos da Igreja protestante na Universidade de Baylor, em Waco, Texas.

Conta assim, no prefácio de Casa-Grande & Senzala, a profunda impressão que lhe causaram os ensinamentos do mestre Boas:

- Foi o estudo de Antropologia sob a orientação do Professor Boas que primeiro me revelou o negro e o mulato no seu justo valor - separados dos traços de raça os efeitos do ambiente ou da experiência cultural. Aprendi a considerar fundamental a diferença entre raça e cultura; a discriminar entre os efeitos de relações puramente genéticas e os de influências sociais, de herança cultural e de meio. Neste critério de diferenciação fundamental entre raça e cultura assenta todo o plano deste ensaio.

(...)

O passado escravocrata brasileiro deixara como saldo a pesada herança da monocultura e do latifúndio, responsáveis pelas deficiências alimentares da subnutrida população nacional. Freyre propôs portanto a superação da idéia de raça e a sua substituição por um enfoque centrado na economia e na cultura, no que se aproximava de antropólogos brasileiros, como Artur Ramos e Roquete-Pinto, e de escritores latino-americanos, como o cubano Fernando Ortiz, o mexicano José Vasconcelos e os peruanos José Carlos Mariátegui e José Maria Arguedas.

Manteve porém, em uma das muitas contradições de seu pensamento, um viés evolucionista, ao tomar a raça como sinônimo de caráter e cultura e acreditar na existência de povos mais ou menos adiantados, o que entrava em contradição com a pretendida superação dos modelos biológicos e raciais. Afirmou a existência de culturas superiores, como os africanos maometanos trazidos da África, adeptos de uma religião monoteísta, cuja presença na colônia portuguesa teve uma função civilizadora. Proclamou a superioridade técnica do negro sobre o indígena e até sobre o branco no que se refere ao trabalho de metais, à criação de gado, à alimentação e à culinária.

Essa mistura peculiar de culturalismo e evolucionismo se explica, em parte, pela admiração que tinha, na juventude, por autores positivistas, como o francês Hippolyte Taine, para quem a história era determinada por meio, raça e momento, o filósofo Auguste Comte, que pregava a existência de fases lineares do desenvolvimento humano e social, e sobretudo o inglês Herbert Spencer, que concebia o homem e a sociedade como regidos pelo princípio da evolução, que caminharia sempre do simples para o complexo, do homogêneo para o heterogêneo. Bebendo nas mesmas fontes de intérpretes do Brasil como Sílvio Romero e Euclides da Cunha, cujas idéias racistas iria rejeitar, Freyre deu aos 16 anos sua primeira conferência, em Paraíba (atual João Pessoa), sobre "Spencer e o Problema da Educação no Brasil".

(...)

Tempestade de areia toma conta da capital da Arábia


Voos tiveram que ser cancelados em Riad.
Autoridades avisaram cidadãos para tomar cuidados.

Da Associated Press

Tempestade de areia toma conta de Riad, capital da Arábia Saudita (Foto: Jad Saab/AP)


Autoridades tiveram que cancelar os voos e disseram que a visibilidade chegou a zero. Apesar de a tempestade ter ocorrido na terça-feira (10), as imagens foram divulgadas nesta quarta (11) (Foto: Jad Saab/AP)

Pessoas foram avisadas para evitar de sair de casa (Foto: Jad Saab/AP)

Fonte: G1.

Palestra do Prof. Dr. Paulo Knauss de Mendonça


O segredo das vitórias do SPFC:

Muricy Ramalho sempre repete a frase 'isso aqui é trabalho, meu filho'. E o bordão do treinador virou homenagem. Com um desenho estilizado do comandante, o São Paulo criou um adesivo com as palavras para distribuir para os torcedores. O gesto de Muricy batendo no braço, que marcou a conquista do tricampeonato brasileiro inédito no ano passado, também foi retratado.

Fonte: Globo Esporte.

terça-feira, 10 de março de 2009

Cientistas identificam áreas do cérebro ligadas à fé religiosa

Ao pensar em Deus, pessoas usam regiões ligadas à interação com outros.Resultados indicam que não há 'órgão divino' único na mente humana.

Reinaldo José Lopes
Do G1, em São Paulo

A ciência provavelmente não é capaz de provar se Deus existe ou não existe, mas a fé religiosa, pelo visto, é bem real -- ao menos em seus efeitos sobre o cérebro. Pesquisadores americanos estudaram o órgão em ação e conseguiram mapear as regiões cerebrais que entram em atividade quando alguém pensa em Deus, no conteúdo de uma determinada doutrina religiosa ou nas cerimônias ligadas à sua fé.

A pesquisa, coordenada por Jordan Grafman, dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, está na edição desta semana da revista científica "PNAS". A primeira conclusão da equipe é que não existe nenhum "órgão divino" especializado no cérebro. Para processar informações, sensações e emoções ligadas à religião e à crença em Deus, as pessoas utilizam regiões do cérebro que também servem para outras funções do dia-a-dia mental.

Isso vale, por exemplo, para quando os voluntários tinham de imaginar Deus relativamente distante do mundo e das pessoas, sem se envolver com os assuntos terrenos; Deus enraivecido e Deus amoroso. Em todas essas situações, as áreas do cérebro que ficaram ativas, de acordo com exames de ressonância magnética, tinham a ver com a chamada Teoria da Mente. A Teoria da Mente é uma propriedade mental humana que tem a ver com a detecção de emoções e intenções em outras pessoas ou seres. É a capacidade que você usa para imaginar por que um amigo ou um parente ficou bravo com você por algum motivo, por exemplo. Nesse caso, os voluntários estão pensando num agente sobrenatural (Deus) como se ele tivesse uma mente como a de outros seres humanos.

Da mesma forma, áreas cerebrais tipicamente associadas com o raciocínio abstrato, a memória e a fala "acenderam" quando as pessoas tinham de pensar em dogmas de sua religião, enquanto regiões associadas com o processamento sensorial ficavam ativas quando a pessoa tinha de pensar em rituais religiosos. Assim, para o cérebro, decorar informações sobre a Santíssima Trindade não seria muito diferente de aprender uma equação matemática, e assistir a uma missa seria parecido com ir ao teatro, por exemplo.

Os pesquisadores ressaltam que a pesquisa foi feita exclusivamente com cristãos ocidentais. A religiosidade de pessoas de outras partes do mundo pode envolver aspectos cognitivos diferentes.
Loading...