Pesquisar este blog

sexta-feira, 6 de março de 2009

Códex Arquimedes

Eureka! O século XXI descobre Arquimedes

Manuscrito inédito do gênio da matemática que viveu na antiguidade revela um cientista muito mais criativo do que se imaginava - ele esboçou até a base da linguagem dos computadores

Natália Rangel

Uma década após ser arrematado num leilão em Nova York por US$ 2 Milhões, um precioso manuscrito redigido pelo matemático grego Arquimedes (287 a.C. - 212 a.C.) que permanecera oculto por mais de mil anos foi finalmente decifrado e divulgado por uma equipe de pesquisadores do Museu de Arte Walters, nos EUA, onde o documento está depositado. O livro Códex Arquimedes (Record, 322 págs., R$ 49), escrito pelo historiador Reviel Netz em parceria com o curador William Noel, revela um cientista cuja genialidade ultrapassa a do lendário personagem que salta da banheira exclamando Eureka! ao descobrir o princípio da hidrostática.
Não que sua descoberta mais famosa, que entrou para a história com o seu nome, não tenha sido importante. O livro prova, no entanto, que Arquimedes transitou por muitas outras áreas e deduziu fórmulas e princípios científicos que são aplicados nos dias de hoje. Entre essas antevisões está a própria linguagem que permitiu a criação e o desenvolvimento dos computadores. Os autores sugerem, inclusive, que a tradição científica ocidental poderia ter tomado outro rumo se os insights matemáticos de Arquimedes sobre conceitos como o infinito e a probabilidade não tivessem vindo à tona apenas agora.
Ele foi uma grande influência para cientistas como Galileu Galilei e Isaac Newton, e esboçou teorias que seriam formuladas definitivamente por eles séculos depois. Entre as curiosidades desvendadas no palimpseto (pergaminho reutilizado) estão observações críticas acerca do pensamento do filósofo grego Aristóteles. Seriam esses os mais antigos comentários expressos sobre o seu trabalho - ele viveu um século antes de Arquimedes, entre os anos 384 a.C. e 322 a.C. "Encontrar comentários sobre as categorias filosóficas formuladas por Aristóteles no século III é fantástico", diz Noel.

Além de relatar todas essas descobertas, o livro refaz com riqueza de detalhes e um fascinante ritmo narrativo o longo e acidentado trajeto percorrido pelo palimpseto. Ele chegou a ser totalmente apagado e depois foi novamente utilizado em Jerusalém no século XIII por um escriba cristão chamado John Myronas.
O conteúdo, de difícil leitura, se perdeu por muitas bibliotecas, sobreviveu a guerras, incêndios e saques - e todas essas passagens são relatadas com riqueza de informações históricas e mistério, o que remete o leitor às aventuras de um arqueólogo fictício no estilo de Indiana Jones. Mas, nesse caso, não há ficção, os autores reconstituem fatos reais e, enquanto narram a história do próprio livro, jogam luz sobre a evolução da ciência nesse mesmo período. O último endereço do palimpseto de Arquimedes foi a biblioteca de Copenhague, na Dinamarca. No dia 16 de julho de 1907, o jornal The New York Times estampa a manchete: "Professor dinamarquês descobre novo manuscrito de Arquimedes."

Em estado lamentável, com diversas páginas destruídas pelo mofo e pelas traças, o valioso documento se perde novamente no período entre guerras. Seria encontrado em Paris e então enviado à casa de leilões Christie's de Nova York. E de lá para o laboratório de especialistas em imagens, onde foi submetido a um trabalho de recuperação de oito anos. Ao restaurar esse Códex de Arquimedes, os pesquisadores finalmente conseguiram reunir e abarcar todo o pensamento do matemático de Siracusa. E talvez esse seja o principal motivo de comemoração: "O pergaminho reproduz o cérebro de Arquimedes", diz Noel.

Decifrá-lo só foi possível devido a uma sofisticada técnica de leitura que permite identificar traços mais finos que a oitava parte de um fio de cabelo. Alguns tratados, como O método dos teoremas mecânicos, só existem, na íntegra e no original, em grego, nesse livro que agora pode ser lido e está disponível para consultas no museu americano. Que, com orgulho, apelidou-o de "a oitava maravilha do mundo".
Fonte: IstoÉ.

Nenhum comentário: