Pesquisar este blog

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Passe livre para o questionamento sincero.


Pensei em fragmentar este texto do Lucas Souza, mas felizmente não consegui. Apesar do tamanho, vai na íntegra mesmo...

Jesus, eu estou sozinho. Estou desiludido com tanta coisa que está difícil até por no papel. Minhas amizades são de chocolate e meus heróis tão frágeis que a primeira ventania levou. Eu cansei, cara eu cansei! Onde está a vida de verdade fora das palavras decoradas? Onde está o verdadeiro sentimento dentro de mim? A verdadeira canção? O verdadeiro fogo?

O pecado levou tudo de mim Senhor. Tudo! O crédito que dei a ele levou o resto da minha esperança e a percepção da sua presença, que é o que me permite seguir em frente, permanecer, perseverar. Eu estou realmente desolado. Estou sem chão. E sinceramente, estou cansado de tentar. Cansado. Porque você se esconde tanto de mim se sabe que na maioria das vezes eu não tenho forças pra te procurar? Por que, Senhor? Por quê? Um dia eu li um texto em que o carinha falava que não se pergunta por que para o Senhor, mas para quê. Mas sinceramente, eu estou a fim de perguntar por que mesmo. Eles inventaram dogmas até para os meus questionamentos, e isso enche o saco. A verdade é essa! Isso enche o saco!

Jesus, não me trate igualmente aos outros, Jesus. Eu não estou a fim de fazer negócio com o seu nome. Não estou a fim de ficar famoso usando o seu nome. Seu nome é valioso demais para que qualquer homem possa profanar. O que eu mais quero é simplesmente seguir ao teu lado, aprender com você, ouvir de você. Só não quero ficar nesse desterro. Nesse lugar as coisas estão mortas e a esperança nem existe mais. Onde já apagaram a luz por tanto tempo que agora ela nem sequer acende. Na realidade, você é a única luz sem validade que eu conheço. Estrela da manhã, tu brilhas como o sol…

Desamor. Desamor. O mal do século é a solidão gerada pelo desamor. Eu estou sozinho. Todos estão sós. Todos se perderam no meio das desavenças, das guerras, das ruínas dos edifícios dos sonhos ruídos. Eles foram apertar as mãos e quebraram os braços! Eles foram se abraçar e se aleijaram! Então Jesus, depois de ter tentado fugir dessa realidade toda, eu só posso olhar pra cima. E ainda bem que o céu ainda existe. Eu sei que você esta ali, depois da nuvem de poluição, e está aqui também, ao lado.

A grande coisa é que eu não estou curtindo esse século não. Tem coisas legais pra se fazer por aqui. Eu posso viajar, conhecer países, culturas. Mas por lá as pessoas carregam a mesma cara triste, o mesmo olhar dos que não te viram. Está tudo muito sem graça, incolor. É como se tivéssemos que viver um jogo eterno de hipocrisia pra sobreviver aqui, e como a partida não acaba nunca, estamos cansados. Exageradamente cansados. Eu mais que todos… Eu mais que todos os outros jogadores. Mas você esta acima do jogo, não esta? Você esta anunciando a estrada para nós, não esta? Os trilhos… como eu sonho com esses trilhos. Há um caminho mais alto, há um amor mais profundo, há um destino traçado que me leva a você, não há? Eu simplesmente quero ir… quero ir.

Jesus, você é a única pessoa, a única pessoa real neste mundo. Seja apenas meu amigo de verdade. Aperta minha mão mais forte. Deixa eu te ver mais perto que os outros. Eu não quero dançar com você não. Eu quero sentar numa mesa e ouvi você falar. Encher meu coração de esperança e refrigério outra vez. Seja a minha esperança, a minha riqueza, a minha alegria, o meu refugio. Mas de verdade Jesus, de verdade. Não nas emoções de purpurina das canções, mas num lugar de realidade.

Jesus real, seja meu espelho!


By Lucas Souza.

Nenhum comentário: