Pesquisar este blog

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Discos tarja preta


Por Adreana Oliveira, em 09-10-2008.
adre@correiodeuberlandia.com.br

Em uma agradável noite de reencontros veio à tona um assunto que não costuma estar muito em voga em uma festa: músicas para curtir a depressão. Algumas foram unanimidade entre o trio que levou a conversa por cerca de dez minutos. O título desta coluna surgiu ali. Os discos devem variar de acordo com a faixa-etária e o meio social de cada um. Segue o meu Top Ten deprê.

Ok Computer – Radiohead (Capitol, 1997). Quando este disco chegou às lojas foi sucesso de público e crítica. Afinal, o eletrônico misturado ao rock e aos medos e preocupações dos músicos do Radiohead, descritos em letras como “Airbag” e “The Tourist”.

Unplugged in New York – Nirvana (DGC, 1994). Considerado o epitáfio de Kurt Cobain, este disco trouxe canções desconhecidas de bandas obscuras. Nirvana ao vivo e desplugado, poucos meses antes de seu frontman cometer suicídio. No set, “All Apoligies” e “Pennyroyal Tea” são cortantes.

Songs of Leonard Cohen – Leonard Cohen (Columbia, 1968). A voz grave deste músico, poeta, escritor e compositor pode ser a trilha sonora perfeita para aquele dia em que você se encontra em um beco sem saída. Destaque para “Theres no way to say goodbye” e “So Long”.

Henry´s Dream - Nick Cave & The Bad Seeds (Mute, 1992): Este é para aqueles que não acreditavam que um artista surgido nos anos 80 não sobreviveria aos 90. Ótimas canções, ótimas histórias.

Mellon Collie and the Infinite Sadness – The Smashing Pumpkings (Virgin, 1995): Melancolia em dose dupla. Este disco fez história e está entre os melhores da década. Ganhou as rádios com “Tonight, Tonight”, “1979”, “Zero”. Outros destaques são “Thirty-Three”, “Here is no Why” e “Take me Down”.

Grace – Jeff Buckley (Columbia, 1994): Se já não bastassem canções como “Last Goodbye” e “So Real”, Jeff ainda incluiu em seu disco de estréia uma das melhores versões já feitas de “Halleluhjah”, de Leonard Cohen.

Wake up and Dream – Violins (2002): Este EP de estréia da banda goiana Violins, que encerrou suas atividades este ano. Fizeram outros ótimos discos, em português, mas este mantém seu lugar entre seus melhores.

Automatic for the People – R.E.M. (Warner, 1992): Segundo Charles R. Cross em sua biografia “Mais Pesado que o Céu”, sobre Kurt Cobain, esse foi o último disco que o líder do Nirvana ouviu antes de morrer. “Everybody Hurts” e “Drive” estão nele.

October Rust – Type O Negative (Roadrunner, 1996): Morte, vampirismo, sexo, contravensões e sensualidade na voz de Peter Steele. Só para adeptos do estilo new gótico.

Temple of the Dog – Temple of the Dog (A&M, 1990): “Say Hello to Heaven”, “Hunger Strike” outras oito canções fazem parte deste disco. Um tributo a Andrew Wood, vocalista do Mother Love Bone. Juntos, músicos do Soundgarden e Pearl Jam.

(...)

Fonte: Musicais, Jornal Correio de Uberlândia.

2 comentários:

Marcelo Hessel disse...

Jamais achei que irira encontrar MC dos Pumpkins, Bloody Kisses do Negative e OK Comp. do Radiohaead em uma mesma lista, aliás, achei que fosse o único a ser tão eclético...

aí pergunto, preciso de um analista e um tratamento contra depressão?

ahahahhahah, adorei o post, muito bom!

leandro ferraz disse...

Não, meu caro Marcelo. Não gaste dinheiro com analistas. Você precisa apenas trocar uma idéias com a Adreana, que foi quem fez a lista.